O que acontece com você quando escuta sua música favorita? Te dá arrepios? Assim como a sensação de ter um nó na garganta quando se escuta uma música em particular, ter arrepios com uma música é um fenômeno muito raro.

Matthew Sachs, um talentoso estudante de doutorado na University of Southern California, realizou um estudo bastante diferente com o objetivo de descobrir o motivo pelo qual temos arrepios com uma música em particular. É importante notar que nem todo mundo é emotivo o suficiente para experimentar essa sensação incomum.

O experimento envolveu 20 jovens. Apenas 10 deles admitiram sentir arrepios ao escutar algumas músicas. Sachs analisou as imagens cerebrais de cada participante. Surpreendentemente, ele descobriu que essas pessoas que sentem arrepios realmente têm diferenças estruturais no cérebro. O cérebro delas possui um maior volume de fibras que ligam seu córtex auditivo às áreas responsáveis ​​pela percepção emocional. Mais tarde, descobriu-se que as pessoas sensíveis e mais inclinadas à empatia são mais sociáveis ​​e têm melhores habilidades comunicativas.

Um maior número de conexões neurais proporciona uma melhor troca de impulsos entre várias partes do cérebro humano. Como resultado, as emoções se tornam mais fortes e intensas.

Embora o estudo acima mencionado não seja de grande escala, Sachs continua a estudar a influência da música no cérebro humano. O cientista acredita que uma compreensão básica das reações neurológicas associadas à percepção dos sons pode se tornar um avanço no diagnóstico e tratamento de vários distúrbios psicológicos.

Esse tipo de emoção indica uma percepção situacional mais sutil e a capacidade de desfrutar de coisas comuns. Pessoas que são mais sensíveis à música estão menos propensas à depressão. A propósito, a terapia musical pode ser muito bem utilizada para tratar a depressão.

Você já pensou que não é uma sensibilidade comum que causa emoções intensas ao escutar música? Você sabia que ter arrepios ao escutar música indica que seu cérebro possui capacidades únicas? Esperemos que os cientistas encontrem mais áreas onde a música pode ser usada como terapia de tratamento.

[Perfeito]

CONTINUAR LENDO