Em 1992, um contêiner com 28.000 patos de borracha foi derrubado no mar quando um navio cargueiro que seguia da China para Seattle, nos Estados Unidos, passou uma tempestade. Acredita-se que eles ficaram presos no gelo por vários anos em algum lugar do Ártico. Foi só no ano 2000 que eles reapareceram próximo à Islândia

Ainda hoje existes mais de 2 mil patos boiando por ai.

Os patinhos de borracha viajaram pelo Pacífico, alcançaram o Mar de Bering, atravessaram o estreito que separa Ásia e América em 1995, entraram no Oceano Atlântico, passa perto da Islândia em 2000 e, em 2001, cruzaram a área onde o Titanic afundou.

A comunidade científica não deixou o episódio passar em branco e, acompanhando a jornada, revelou que os brinquedos deram informações preciosas sobre correntes de superfície. Ambientalistas, porém, chamam atenção para outra lição: a do risco do tráfego de navios com pilhas cada vez mais altas de contêineres e sem a segurança necessária. Por ano, 10 mil contêineres caem no mar. Em um terço dos casos, a carga não é inofensiva como patinhos de borracha.

Imaginem a cena das pessoas vendo os patinhos chegar no litoral da Islândia com seus óculos de sol…

CONTINUAR LENDO